Pular para o conteúdo principal

A Maior tragédia do futebol brasileiro - 17 anos sem Serginho


Em 27 de outubro de 2004, o zagueiro Serginho, do São Caetano, sofreu uma parada cardiorrespiratória aos 15 minutos do 2º tempo da partida contra o São Paulo, sendo declarado morto no hospital às 22h45.
Sete dias depois, os atletas e a comissão técnica da equipe do ABC tiveram que voltar ao Morumbi para jogar os 30 minutos restantes do duelo, pelo Campeonato Brasileiro, mesmo ainda em estado de choque. 
No vídeo que separamos mostramos o trecho da transmissão ao vivo da Rádio Globo naquela noite e uma matéria da ESPN Brasil com os desdobramentos (acompanhem abaixo)
Quando Serginho desabou nos pés do atacante Grafite, do São Paulo, na área defensiva do São Caetano durante jogo entre as equipes pelo Brasileirão 2004, há exatos 15 anos, a apreensão tomou conta do Morumbi e de todos que acompanhavam a partida. A morte de Serginho no gramado chocou o mundo do futebol e foi responsável por mudanças drásticas no Brasil e até mesmo fora do país. 
 Os cuidados clínicos com os atletas se intensificaram, os exames aumentaram e equipamentos chegaram. 
 Cumprimento à regra São comuns no futebol brasileiro as notícias de que uma partida não começou ou atrasou seu início por falta de ambulância no local. Porém, o caso é recente. 
O Estatuto do Torcedor exigiu em 2003, um ano antes da tragédia com Serginho, que os jogos deveriam contar com uma ambulância. Entretanto, no primeiro ano de imposição, a regra não era tão seguida à risca como a partir de 29 de outubro de 2004, dia da tragédia com o zagueiro. 
Uma matéria do UOL datada de 27 de outubro de 2005, exato um ano após a morte do jogador, revelou as primeiras mudanças. O cuidado com as ambulâncias foi a primeira delas, já que alguns clubes não se atentavam a isso mesmo com a imposição do Estatuto dois anos antes. 
 Outro ponto que se tornou obrigatório e foi amplamente procurado foi o desfibrilador. No caso de Serginho, o equipamento estava dentro da ambulância e muitos julgam que demorou a ser utilizado. A partir dali, é obrigatório que haja um dele à beira do gramado para caso de emergência.

Mudanças a partir do triste acontecimento 
Fora do país 
A FIFA também tornou medidas obrigatórias a partir da morte de Serginho. Entidade máxima do futebol, criou um protocolo básico com exames que devem ser feitos em atletas após suas contratações, o que não era comum antes de 2004.
Treinos 
As equipes passaram a ter ainda mais preocupação com a saúde dos atletas por temerem punições severas. 
Por isso, as baterias de exames no início da temporada se intensificaram e se tornaram um evento nos clubes, com trabalhos minuciosos dos médicos com todo o elenco. No dia a dia a relação também mudou. 
Equipamentos médicos são deixados ao lado dos gramados assim como em partidas oficiais, sempre com o acompanhamento profissional durante os treinamentos. 
 Fonte: Uol, ESPN e Toredores.com
Vídeo: Canal Cheni no Campo no Youtube com imagens do canal Premier e ESPN Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rede Transamérica deixa de transmitir jogos para o Rio de Janeiro e Brasília. Dono da CNN pode adquirir emissora

Exclusivo atualização 11/08/2021 10:20   Há um ano a direção da Rede Transamérica ampliava o projeto de transmissões esportivas em grandes praças como Rio de Janeiro e Brasília, mas o ótimo projeto infelizmente não emplacou e, segundo fontes, vai deixar de existir a partir da segunda-feira da próxima semana dia 9 de agosto. No caso de Brasília o projeto já tinha terminado há algum tempo,  agora, tudo indica, seria a vez do Rio de Janeiro, que deve ir até o próximo domingo dia 8 de agosto. Após essa data alguns profissionais da equipe esportiva seriam relocados na programação de São Paulo ou da rede, outros teriam que deixar a emissora. No Rio de Janeiro o projeto segue nos moldes antigos de arrendamento de horário com profissionais locais, inclusive a equipe anterior  do projeto de rede vai retornar. A ausência de patrocinadores nesse período de pandemia pode ter atrapalhado o excelente projeto, outro fator que pode ter contribuído foi a ausência de nomes conhecidos ou profissionais co

DEPOIS DE JOSÉ SILVÉRIO, CAPITAL CONTRATA NARRADOR DA 105 FM

 LEANDRO BOLLIS REFORÇA TIME DA CAPITAL Após uma década, Bollis  deixa a 105 FM Emissora retoma o departamento esportivo e quase dois meses depois da chegada do  jornalista e empresário Oliverio Júnior, mais que duplicou sua audiência nos horários com bola rolando.  Consolidada no segmento popular  a Capital finalmente migrou e agora pode ser ouvida no FM  77.5 (faixa estendida) da cidade de São Paulo, o foco desde o início do ano  se tornar uma emissora  multiplataforma vem conseguindo atingir seus objetivos, isso deve-se muito a volta das  transmissões de futebol  e a chegada do narrador José Silvério,  o narrador que marcou seu nome na história do rádio esportivo por décadas narrando os principais fatos da história do futebol na Jovem Pan e  Rádio Bandeirantes de São Paulo foi o principal nome  que arrastou milhares de fãs e órfãos do "PAI DO GOL" que nos altos de seus 75 anos bem vividos  retoma a narração esportiva como um garoto que vinha de Minas para narrar do rádio p