terça-feira, 20 de outubro de 2015

Continua a indefinição em relação ao rádio digital no Brasil

O diretor técnico da Tell HD Rádio, no Brasil,
fez a apresentação aos jornalistas
O governo anunciou na última semana a migração das emissoras de rádio que operam em AM para FM. Os radiodifusores comemoram a decisão da presidenta Dilma Rousseff, mas, o badalado Rádio Digital que há dez anos anda em passos lentos no Governo e no Congresso continua sem definição. O Ministério das Comunicações já exigiu testes de toda a ordem para as empresas credenciadas para participar da implantação: a HD Rádio e o consórcio DRM. Antes da assinatura do decreto de migração das emissoras AM para FM, a Tell HD Rádio fez uma apresentação, em sua sede, em Brasília, para um grupo de jornalistas mostrando o que a empresa tem feito no Rádio Digital em alguns países e os testes e investimentos já feitos no Brasil. Em Brasília, nos próximos dias as rádios Joven Pan FM e Atividade passam a operar em fase experimental com qualidade digital e possibilidade de multiprogramação, pacote de dados adicionais, dicas de trânsito, emissão de sinal alerta e muitos outros serviços, anunciaram os diretores da Tell HD Rádio durante a apresentação feita, em Brasília. O Diretor executivo da Tell HD Rádio, Alexandre Romano abriu a reunião apresentando os sócios e diretores da organização no Brasil. Disse que Robert Struble, diretor-presidente da Ibiquity é o sócio norte-americano, desenvolvedor da tecnologia. “Nós construímos uma empresa brasileira que é detentora da tecnologia”; Claudio Martinez, vice-presidente da Ibiquity, para a América Latina; Erik Hjelm, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios Internacionais da Ibiquity, Ronald Barbosa, diretor técnico da Tell HD Rádio; Cassiano Rodrigues, diretor responsa´vel pela área de desenvolvimento comercial, negócios para os radiodifusores Tell HD Rádio. Romano anunciou que a Tell HD Rádio, estava apresentando um novo meio de comunicação que as emisoras de rádio vão poder realizar com seus equipamentos. Assinalou que a “ tecnologia hoje é de propriedade de uma empresa brasileira e fará com que às universidades tenham acesso”. Novos Equipamentos 
Para a migração da AM para a FM as rádios tem que comprar novos equipamentos. Nossa proposta sugere Alexandre Romano, é que comprem novos equipamentos, mas que já transmitam nos dois canais que com isso gastariam uma vez só. “É importante o governo tomar uma decisão para definir qual a tecnologia ou quais as tecnologias que podem trafegar dentro do mesmo espectro da FM.” Para Romano, o mais importante no ponto de vista do negócio é que a radio digital vai poder interação com as outras mídias. “A internet, a TV Digital, os celulares, que já tem hoje essa integração, a radio digital está fora hoje dessa integração. Quando você passa a digitalizar você passa a integrar o mesmo nicho de negócio. Ou seja, é uma tecnologia que vai ser integrada no celular. Os fabricantes já desenvolveram seis gerações de produtos e os fabricantes de chips desenvolveram produtos de baixo custo com aplicativos; os provedores de serviços desenvolveram aplicações avançadas no que diz respeito a tráfego de área”. Firmamos aqui um compromisso com vocês jornalistas, com o governo e com a sociedade, do envolvimento cada vez maior das universidades no desenvolvimento de aplicativos, dos negócios e da tecnologia em si, comprometeu se o diretor da Tell HD, Alexandre Romano. Ele mostrou também as possibilidades de parceria de negócios da rádio, com o ITunes, por exemplo, e com isso a emissora ter um ganho maior. Todas as informações e experiências do Rádio digital estão na apresentação, em PDF, em anexo e pode ser verificada em detalhes.  Veja aqui apresentação em PDF.
Veja abaixo o vídeo que mostra a eficiência do HDRádio com o exemplo da Rádio Cultura de Uberlândia.
Fonte: Edgar Lisboa/ Agência Texto Final