quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Mais uma paulada no rádio

Rádio Globo deixa Curitiba e frequência passa a retransmitir a CBN
Antes de sair do ar  emissora divulgou em seu site a
 escalade transmissão da última rodada do Brasileirão
Assim como ocorreu em Belo Horizonte, dessa vez foi Curitiba que deixou de contar com a programação popular da rede controlada pelo Sistema Globo de Rádio. A Rádio Globo AM 670 de Curitiba já encerrou as suas atividades e a frequência AM passou a repetir a transmissão da CBN FM 90.1. A Rádio Globo opera na capital paranaense desde setembro de 2002, quando substituiu a Rádio Cidade AM (ou seja, tinha 14 anos de operação). Controlada pelo Grupo J. Malucelli, a frequência agora passa a retransmitir a programação da CBN, assim como ocorreu recentemente em Belo Horizonte. As duas emissoras chegaram a fazer transmissão simultânea de partidas dos times paranaenses. A emissora jornalística do Sistema Globo de Rádio não conta com equipe local de esportes desde maio, quando o narrador titular da equipe, Edgard Felipe, faleceu na capital paranaense. Desde então, a CBN curitibana transmite jogos transmitidos pela CBN FM 90.5 AM 780 de São Paulo ou da CBN FM 92.5 AM 860 do Rio de Janeiro. Com a saída de Curitiba, a Rádio Globo deixa de ter sua programação em mais uma importante capital brasileira. A emissora popular do SGR deixou Belo Horizonte para a entrada da CBN FM 106.1. Um comunicado divulgado pelo Sistema Globo de Rádio (SGR) na semana passada informava que a interrupção da programação era temporária, como parte de um amplo projeto de relançamento da emissora. “Em 2017 uma nova Rádio Globo começará suas operações no Rio de Janeiro e em São Paulo, e em breve voltará mais forte, no FM, para BH", dizia o comunicado.

Capitão Hidalgo e Edemar Annuseck
Em entrevista ao BLOG Momento do Esporte  do jornalista Moura Napoli,  Edemar Annuzeck, 70 anos,  mostrou-se abatido e desabafou: “Sabe, Moura, além da crise do país, que afeta a todos nós, outro problema – possivelmente o mais grave, é que as rádios são mal dirigidas. Não são pessoas do ramo”. Com tantos anos de estrada, com tantas grandes coberturas nacionais e internacionais, Edemar chega a pensar até em dar um tempo na brilhante carreira, mas ainda espera que uma luz possa iluminar a cabeça de empresários e que um pouco de lucidez ajude o rádio esportivo, e de resto o próprio rádio de modo geral, saiba sair fortalecido de mais essa crise.
Foto: Arquivo pessoal