terça-feira, 18 de maio de 2010

Túnel do Tempo

Meu camarada Mauro de Lima, o "Meto Bala" que comanda a técnica externa da Globo e CBN mandou algumas fotos memoráveis do rádio em sua época romântica.














Roberto Carmona na época de Rádio Globo ao lado de um repórter, um tal de Fausto Silva.













Mauro de Lima, Osmar Santos, Paulo Roberto Martins e Luiz Roberto, ao fundo Márcio Bernardes - Copa dos Estados Unidos em 1994.















Mauro de Lima ao lado de Osmar Santos ao fundo o repórter Carlos Lima (Hoje narrador da Espn) - Copa da França em 1998.
















20 -11- 1980 - Estádio do Morumbi - Após clássico São Paulo e Santos operadores de rádio pousaram para foto.

Se você tiver fotos antigas dos profissionais do rádio brasileiro ( com data e devidamente creditada) mande pra gente. Mande para cheninocampo@gmail.com e publicaremos aqui nesse espaço.

Frases inenquecíveis de boleiros parte ll


Em março de 2009 publicamos a parte l da "Frases inesquecíveis dos boleiros" veja a íntegra aqui. A repercusão foi grande, recebi vários emails e links com outras frases realmente inesquecíveis. Juntei tudo e coloco a sequencia aqui no blog.
Vamos então a parte ll onde Jardel que está no Flamengo do Piaui se consagra de vez.

'Chegarei de surpresa dia 15, às duas da tarde, vôo 619 da VARIG.'
(Mengálvio, ex-meia do Santos, em telegrama à família quando em excursão à Europa)

'Tanto na minha vida futebolística quanto na minha vida ser humana.'
(Nunes, ex-atacante do Flamengo, em uma entrevista antes do jogo de despedida do Zico)

'Que interessante...aqui no Japão só tem carro importado.'
(Jardel, ex-atacante do Grêmio)

'As pessoas querem que o Brasil vença e ganhe.'
(Dunga, em entrevista ao programa Terceiro Tempo)

'Eu, o Paulo Nunes e o Dinho vamos fazer uma dupla sertaneja.'
(Jardel, ex-atacante do Grêmio)

'O novo apelido do Aloísio é CB, Sangue Bom.'
(Souza, meio-campo do São Paulo, em uma entrevista ao Jogo Duro)

'A partir de agora o meu coração só tem uma cor: vermelho e preto.'
(Jogador Fabão, assim que chegou no Flamengo)

'Eu peguei a bola no meio de campo e fui fondo, fui fondo, fui fondo e chutei pro gol.'
(Jardel, ex- jogador do Vasco e Grêmio, ao relatar ao repórter o gol que tinha feito)

'A bola ia indo, indo, indo...e iu!'
(Nunes, jogador do Flamengo da década de 80)

'Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Cristo nasceu.'
(Claudiomiro, ex-meia do Inter de Porto Alegre, ao chegar em Belém do Pará para disputar uma partida contra o Paysandu, pelo Brasileirão de 72)

'Nem que eu tivesse dois pulmões eu alcançava essa bola.'
(Bradock, amigo de Romário, reclamando de um passe longo)

'No México é que é bom! Lá a gente recebe semanalmente de 15 em 15 dias.'
(Ferreira, ex-ponta esquerda do Santos)

'Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe.'
(Jardel, ex-atacante do Vasco, Grêmio e da Seleção)

'O meu clube estava a beira do precipício, mas tomou a decisão correta, deu um passo a frente.'
(João Pinto, jogador do Benfica de Portugal)

'Na Bahia é todo mundo muito simpático. É um povo muito hospitalar.'
(Zanata, baiano, ex-lateral do Fluminense, ao comentar sobre a hospitalidade do povo baiano)

'Jogador tem que ser completo como o pato, que é um bicho aquático e gramáto
(Vicente Matheus ex-presidente Corinthians)
Colaboraram: Daniel Boechat e Mário Tomazella
Charge: Fotoblogão