Ninguém faz sucesso sozinho


O livro Ninguém faz sucesso sozinho (Escrituras Editora) traz a trajetória de vida do jornalista Antonio Augusto Amaral de Carvalho,o Tuta, um inovador e um dos nomes mais importantes da história da rádio e da televisão do Brasil. Tuta foi responsável por inúmeras inovações na cobertura esportiva, como:
- as primeiras tomadas do público nos estádios
- (anos 50) transmissão de fotos tiradas em câmeras polaróides nos intervalos do futebol, na época em que não se tinha videoteipe. Depois, a equipe técnica da TV Record utilizou-se do recurso de filmar em 16 milímetros, em duas ou três câmeras, revelar o filme em enormes barris com ácido de revelação, em um prazo de três a cinco minutos
- (1956) – instalação de uma equipe de reportagem, pela primeira vez, nos vestiários dos estádios, tornando os intervalos mais atrativos
- a primeira câmera instalada atrás do gol
- Tuta foi o primeiro diretor de TV a fazer transmissões Rio-São Paulo, cobrindo Brasil X Itália no Maracanã, em 1956, percorrendo os 400 Km de distância com caminhões do Exército e toda a equipe da Record no apoio
- Na cobertura das partidas de futebol, no começo, eram usadas duas câmeras, depois três. Inovou em tecnologia e no registro das imagens dos jogadores durante as partidas.
O início da trajetória do jornalista Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta, 78 anos, deixando sua marca na história da radiodifusão brasileira, ocorreu em 1949, como auxiliar na então Rádio Panamericana, que era, na época, a “Emissora dos Esportes”.
Em 1952, Tuta assumiu a direção-geral da Panamericana. Tinha, então, 21 anos de idade.
Em 1953, Tuta deixou a Panamericana para trabalhar TV Record, que iniciava suas transmissões. Na TV Record, criou e dirigiu programas históricos da televisão brasileira, como “O Fino da Bossa”, “Bossaudade”, “Família Trapo”, “Hebe”, “Show do dia 7” e muitos outros que marcaram época.
Por seu trabalho na TV Record, da qual se desligou em 1973, Tuta recebeu por dez anos consecutivos, a partir de 1955, o Prêmio Roquete Pinto, que era a maior distinção da televisão brasileira na época. Em 1958, recebeu o Tupiniquim, da TV Tupi, e mais outro se seguiu. Em 1966 e 1969 foi agraciado com o Prêmio Governador do Estado.
Embora pertencendo aos quadros da TV Record, Tuta assumiu novamente a direção da Rádio Panamericana em 1964.
O nome “Jovem Pan”, substituindo “Panamericana”, surgiu em 1965, dado pelo doutor Paulo Machado de Carvalho, o Marechal da Vitória. Em 1966, Tuta começou a grande transformação da emissora que, mais tarde, se tornaria em uma referência do rádio brasileiro.
Já com o nome de Jovem Pan, Tuta iniciou vários programas com ídolos da MPB que, na época, faziam grande sucesso na TV Record. Em 1970, começou a criar na Jovem Pan os primeiros programas jornalísticos e de prestação de serviços que transformaram o rádio do Brasil, fazendo escola, especialmente a “Equipe Sete e Trinta”, que depois se tornaria no “Jornal da Manhã”, que é o mais ouvido no país até hoje.
Em 1976, implantou a Jovem Pan-2, FM, designando Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho, para sua direção, cargo que ocupa até hoje. Foi outra iniciativa que mudou tudo nas FMs do país.
Em 1993, Tuta iniciou o Projeto Jovem Pan-SAT, implantado em 1994, transmitindo via satélite para todo o país, com sinal de áudio totalmente digital. Sob a direção de Marcelo Carvalho, hoje a Rede Jovem Pan-SAT, uma das maiores do mundo, conta com mais de 130 emissoras que transmitem para mais de 1500 municípios do país, incluindo 17 capitais, atingindo um contingente de 25 milhões de ouvintes.
Em 1997, Tuta criou o site da Jovem Pan na Internet, que se transformou, também, numa referência no que diz respeito à informação em tempo real.
Em 2007, implantou a Jovem Pan Online, o rádio com imagem, com uma programação que funciona dia e noite, abrangendo todos os setores, como Política, Economia, Esportes, Internacional, Cultura, Ciências e Comportamento. Dirigida por Sílvia Carvalho, a Jovem Pan Online representa outra iniciativa pioneira do jornalista Antonio Augusto Amaral de Carvalho que, com os olhos sempre voltados para o futuro, transformou a radiodifusão do Brasil, sempre com uma tecnologia e equipamentos de ponta, dos mais modernos do mundo, além de profissionais da mais alta qualidade, que fizeram a Jovem Pan ser chamada de “A Rádio do Brasil”.

Título: Ninguém faz sucesso sozinho
Autor: A. A. A. de Carvalho - TUTA
Organização e coordenação editorial: José Nêumanne Pinto
Prefácio: José Bonifácio de Oliveira Sobrinho (Boni)
Colaboração especial: José Carlos Pereira
Foto capa: Fernando Gardinali
Gênero: Biografia/Literatura brasileira
ISBN: 978-85-7531-344-2
Formato: capa dura com sobrecapa, 21,5 X 27 cm
Páginas: 432
Peso: 2,070 g
Preço: R$ 90,00
Escrituras Editora

Postagens mais visitadas