quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Morre, aos 73 anos, o psiquiatra Flávio Gikovate

Flávio Gikovate durante gravação do programa
 'No Divã do Gikovate'
Morreu na noite desta quinta-feira, no Hospital Albert Einstein, o psiquiatra, psicoterapeuta e escritor Flávio Gikovate, de 73 anos. Atualmente, o psiquiatra apresentava o quadro "No divã do Gikovate", na rádio CBN, dentro do "CBN Noite Total" e, aos domingos, o programa de mesmo nome desde 2007. Gikovate lutava contra um câncer desde março, quando a doença foi descoberta. A informação da morte foi confirmada por telefone por um amigo da família. Dono de um divã onde muitos quiseram tirar suas dúvidas ao longo dos mais de 50 anos de formação, o médico foi o pioneiro nos estudos sobre o sexo, amor e vida conjugal no Brasil, tendo publicado 34 livros com reflexões originais sobre esses temas e que já venderam cerca de um milhão de exemplares. Desde 1977, desenvolvia intensa atividade de divulgação de suas ideias através dos veículos de comunicação: assinou colunas na Folha de S. Paulo, na revista Cláudia, teve um programa na TV Bandeirantes e, desde 2007 começou a apresentar o premiado "No Divã do Gikovate" pela rádio CBN. O programa era gravado no teatro Eva Herz da Livraria Cultura Conjunto Nacional, em São Paulo, com a participação do público na plateia e em inúmeros e-mails. Esse contato com o público foi pedido por Gikovate, que antes gravava o programa em um estúdio. "No divã do Gikovate" teve de ser suspenso para o tratameto dele. Em 2010, o psiquiatra encarou um novo desafio: aceitou o convite do autor Sílvio de Abreu para atuar na novela "Passione", da TV Globo, interpretando ele mesmo. A motivação para participar da novela foi a mesma que sempre permeou sua carreira: divulgar a profissão para o maior número de pessoas possível. Em abril, um mês depois de ter sido diagnosticado com a doença, o médico deu um depoimento corajoso e transparente a Tânia Morales, em que destaca a importância em manter-se sereno e confiante na equipe médica. Ouça aqui. Até a noite desta quinta não havia informações sobre onde ocorrerá o velório.
Último post de Gikovate nas Redes Socias
Gikovate era muito ativo nas redes sociais. Seu perfil no Twitter tem quase 80 mil seguidores, no Facebook são 180 mil, além de um canal no YouTube onde sua última postagem foi há um mês (veja abaixo)



Fonte: CBN e Folha SP
Foto: Divulgação CBN


Coletiva de imprensa #PAUSANAPAF

www.pausanapaf.com.br
A Academia Brasileira de Neurologia (ABN) tem o prazer de convidá-lo (a), ou representante de seu veículo, para uma coletiva de imprensa com o ex-jogador Cafu, que nesta terça-feira (dia 18) participará do lançamento oficial da campanha #PAUSANAPAF, como embaixador da iniciativa. Com o apoio da Pfizer e de vários craques brasileiros, apresentadores e artistas como Ricardo Oliveira, Renato, Elano, Léo, o técnico Dorival Júnior, do Santos, Renata Fan, Adriane Galisteu. A campanha tem o objetivo de chamar a atenção para uma doença genética pouco conhecida entre os brasileiros, que tem origem principalmente em Portugal e afeta milhares de pessoas no Brasil. A paramiloidose, ou polineuropatia amiloidótica familiar (PAF), é uma doença degenerativa progressiva e irreversível, que costuma se manifestar entre os 30 e os 40 anos, pausando completamente a vida do paciente. Após os primeiros sintomas, sem tratamento adequado, essas pessoas sobrevivem em média por 10 anos. Ações presenciais e digitais fazem parte da campanha, que pretende canalizar o poder de mobilização dos times e jogadores para aumentar o conhecimento sobre a PAF no Brasil e incentivar o diagnóstico precoce. Também participarão do encontro, além de Cafu, os neurologistas e representantes da ABN, Acary Souza Bulle Oliveira e Marcondes Cavalcante França Jr., e a neurologista Márcia Waddington Cruz, uma das maiores especialistas na doença do País, e pacientes com PAF, como o atleta Guilherme Jucá.

  Interessador Favor, confirmar presença com Samira Aguiar, pelo telefone (11) 3643-2907

         
O ex-jogador Léo também  ajudou a divulgar a campanha 
Foto: SantosFC

Torcedores.com lança Curso de Jornalismo Esportivo gratuito em plataforma interativa


O Torcedores.com lançou a nova versão do seu Curso de Jornalismo Esportivo. As aulas têm o intuito de formar estudantes e entusiastas que almejam ingressar no mercado de trabalho e trilhar carreira como jornalista esportivo. E o curso está em nova plataforma, que permite uma interatividade muito maior. O curso prevê aulas teóricas e práticas que abrangem desde noções básicas da cobertura esportiva até orientação personalizada de profissionais da área para formação de setoristas. Já na primeira atividade, os alunos terão a oportunidade de ter seus textos publicados pelo Torcedores.com e divulgados por parceiros de grande audiência como Esporte Interativo, iG, RBS, Elemidia e MSN. Oportunidade de carreira e remuneração Ao término do curso, os alunos terão um portfólio de conteúdo que abrirá as portas para o mercado de trabalho. Além disso, aqueles que se tornarem colaboradores frequentes do site passarão por avaliação dos editores. Os autores com melhor desempenho em qualidade e audiência poderão ganhar uma vaga como colaborador fixo e remunerado pelo portal. Como participar? Para participar, basta fazer o seu cadastro no link http://torcedores.com/seja-um-colaborador. Além disso, você precisa se inscrever na nova plataforma aqui. Não perca tempo! As turmas são fechadas quando atingirem a capacidade máxima de 40 integrantes. Sinta-se livre para tirar dúvidas sobre o processo com o editor Renan Prates pelo e-mail renan@torcedores.com. 
Sobre o Torcedores.com 
O Torcedores.com é o primeiro portal colaborativo sobre esportes no Brasil que propõe um modelo inovador de conteúdo, o de trazer a visão do espectador. Com uma editoria que faz a seleção do conteúdo a ser publicado, a página conta atualmente com a incrível marca de 4 mil colaboradores e uma audiência de 6 milhões de visitantes únicos.  

Brasil Radio estreia programação local na próxima segunda-feira

Na próxima segunda-feira, dia 17, a Brasil Radio, em Orlando, apresenta uma novidade em sua programação diante do sucesso entre ouvintes e anunciantes. A rádio brasileira transmitida em duas frequências (810 AM e 93.1 FM), com conteúdo das rádios do Grupo Bandeirantes, passará a ter uma programação local, entre 9h e 10h, comandada pelo jornalista Estevan Ciccone. Informações do trânsito, do tempo, as últimas notícias do Brasil, dos Estados Unidos e do mundo, música, esporte, entrevistas, dicas para comunidade brasileira que mora na cidade e para os turistas que estão por lá, além de muita interação com os ouvintes, serão as principais características do programa, que irá ao ar de segunda a sexta-feira.

De volta à Rádio Globo, Carla Matera prepara site com cobertura sobre esporte

Carla Matera  de volta ao Sistema
Globo  de Rádio desde agosto
De volta à Rádio Globo desde agosto (após vários anos na Rádio Tupi e uma passagem pela mesma Globo em São Paulo), a repórter Carla Matera já se sentiu quase como uma “atração turística” quando começou a trabalhar com futebol, no fim dos anos 1990. “Era difícil achar mulheres no jornalismo esportivo em rádio. Daí os repórteres de outros estados vinham me entrevistar!”, espanta-se ela, que pode ser ouvida de domingo a sexta no ‘Panorama Esportivo’ (de 22h à meia-noite) e de segunda a sexta no ‘Globo Esportivo’ (de 17h às 19h). E prepara o site www.carlamatera.com.br para levar sua cobertura para a web, com foco em bastidores. “Não vou nem me restringir a futebol. A ideia é mostrar os personagens do esporte sem chuteira e sem prancheta. Como é a vida, o dia-a-dia deles, como são as coisas no vestiário”, adianta ela, que estreia o portal até o fim do ano. E começou nas quatro linhas por acaso, quando fazia faculdade de jornalismo e já trabalhava em rádio. Por acaso, sua estreia se deu num Dia Internacional da Mulher. “Foi num domingo, em 1999. Trabalhava na Tropical FM e meu chefe me escalou para cobrir futebol feminino no Maracanã. Eu trabalhava no jornalismo e não entendia de futebol. Mas meu chefe falou: ‘Ué, mas você entrevista médicos e nunca fez medicina. Claro que pode entrevistar jogadores de futebol!”, brinca. Carla acabou ganhando ajuda da família, formada por fãs do esporte. “Meu pai era um flamenguista louco e me dava dicas. Na época você via mulheres no esporte na TV. Em rádio, eu não fui a primeira, mas no Rio, na época, era impossível achar”. Carla tomou gosto (e muito conhecimento) pelo esporte e, já na Rádio Tupi, onde cobria polícia na década passada, insistiu até mudar de área. “Eu fazia faculdade e ainda cobria esportes em outra rádio. A Tupi era tradicionalíssima e nunca tinha tido uma mulher nessa área”, recorda ela, que relutou até perceber que enfrentava machismo no trabalho. “Achava que eu não passava por esses problemas. Até que ouvi de um treinador do Fluminense que ‘a Carla, apesar de mulher, é uma boa repórter’. Isso é patético. Numa emissora em que trabalhei, percebi que não tinha oportunidades por ser mulher. E tem quem ache que colocar uma repórter para cobrir futebol é um favor”, indigna-se Carla, que também dá aulas de reportagem esportiva na Escola de Rádio, no Catete. E é mãe de Alexandre, 6 anos. “Ser mãe e viajar bastante a trabalho é um enorme desafio. Mas meu filho se orgulha muito de mim. Já até me disse isso”, alegra-se.
Foto: Divulgação