quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Faixa estendida de FM nas capitais começa a ser liberada em outubro

O desligamento da TV analógica em regiões metropolitanas começará por Brasília, agora em 26 de outubro. Com isto, começará também a liberação da faixa estendida de FM que viabilizará a migração das 436 emissoras que ficaram no lote residual (dependentes do desligamento dos canais 5 e 6 de TV para poder migrar). A tabela abaixo mostra o calendário de desligamento da TV analógica nas regiões metropolitanas de capitais onde há emissoras no lote residual. Depois de Brasília, será a vez de São Paulo, região agendada para março do próximo ano. O processo será concluído com João Pessoa, em maio de 2018. Ou seja, em 18 meses a partir de hoje, todas as regiões metropolitanas de capitais estarão liberadas.
Brasília            -  26/10/16
São Paulo        -  29/03/17
Goiânia             -  31/05/17 
Salvador           -  26/07/17
Fortaleza          -  26/07/17 
Belo Horizonte  - 26/07/17 
Recife               - 26/07/17 
Vitória               - 25/10/17 
Rio de Janeiro  - 25/10/17 
Curitiba            -  31/01/18 
Porto Alegre    -  31/01/18 
Florianópolis    - 31/01/18 
Belém              - 30/05/18 
João Pessoa   - 30/05/18
As datas para todas as regiões podem ser encontradas nas portarias 378 (22/01/2016), 1.714 (27/04/2016) e 3.492 (26/08/2016). Enquanto isto, a análise dos processos de migração no MCTIC está em curso. Na última quinta-feira (22), foi encerrado o prazo para encaminhamento das certidões negativas das emissoras que estão no lote residual. Após a análise da documentação pelo MCTIC, as emissoras receberão o boleto para pagamento do valor da nova outorga. Os passos seguintes são a assinatura do termo aditivo junto ao MCTIC e o envio do projeto técnico no prazo de 120 dias. Concluída essa fase, a emissora pode requerer à Anatel a autorização para uso da radiofrequência. As emissoras do lote residual podem operar em simulcasting, transmitindo em AM e FM, pelo prazo de até cinco anos. Após esse período, a emissora deverá devolver o canal em onda média à União. 
Fonte: MCTIC / ABERT