domingo, 3 de abril de 2016

O rádio am continua agonizando

Anúncio da Revista Placar de 1989
IBOPE alto e anunciantes na fila
Um verdadeiro canhão das décadas de 70, 80 e começo dos anos 90..emissoras, programas e comunicadores com índices de audiência muitas vezes superiores aos programas de tv. Isso foi o rádio am,  tanto nas capitais como nos rincões mais afastados do nosso país o am    fez o que se esperava dele...informar, divertir...comunicar.  Há muito tempo ele tenta sobreviver de arrendamentos, produtos de cunho duvidoso que comprometem o trabalho do do departamento comercial e consecutivamente a sua sobrevivência. Claro que existem as "barganhas"  como por exemplo:  descontos superiores a 80% no preço de tabela, ou  conseguir aquela cota de publicidade do governo municipal, estadual ou federal e aí o departamento  de jornalismo da emissora que se vire, isso é claro se a venda   tiver o  chamada "rabo preso", existe ainda  a possibilidade, a de "casar"  a venda com o FM ( se for o caso ) ou com a  página da emissora na internet. Isso mesmo, o am hoje virou objeto de barganha para venda.  Na Capital de São Paulo por exemplo o episódio mais recente é a saída de uma equipe esportiva terceirizada em am para outra emissora em FM.  Todas as emissoras que fazem futebol na Capital transmitem em am e fm  casos de Globo-CBN ( que fundiu a equipe esse ano para cortar custos e tentar melhorar as vendas), Bandeirantes e Jovem Pan. As outras emissoras já transmitem em FM e mesmo assim cortaram custos como viagens, corte de equipe etc...   A fase econômica não está boa, mas é só a gente lembrar que nos últimos anos o am perdeu equipes esportivas próprias como Record 2011, Eldorado-Estadão-ESPN em 2012
Antônio Edson, Éder Luiz e Dalmo Pessoa,
 cobertura da Copa de 90 na Rádio Bandeirantes
 Capital em 2013.   Com todo respeito, tomo a liberdade de discordar do meu ex-colega de CBN e brilhante jornalista Heródoto Barbeiro,  que  afirmou em sua coluna o temível título:  "Fim do FM" que o blog reproduziu aqui.  Acredito que um dia isso vai acontecer, mas vai demorar bastante, talvez mais que o rádio digital, que virou uma espécie de "Pré Sal"  do dial.  Nunca se sabe quando vai sair do papel e quando sair pode estar fadado ao fracasso segundo comentários de alguns engenheiros que conversei.  O FM hoje  só não é o canhão que foi o am em décadas passadas por causa da tv as cabo, das novas tecnologias e também por causa da economia. O Ministério das Comunicações tem que agilizar a migração do am nas grandes capitais o mais rápido possível, pois a cada dia que passa a agonia... o  estado  vegetativo  do am vai desanimando a todos.
Fotos: Revista Placar e Blog do Tonicão