quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Rádio AM sobrevive com má qualidade e baixa audiência

Nas últimas duas décadas, proprietários de rádios AM fizeram promessas de que, "em breve", a péssima qualidade sonora de suas emissoras iria desaparecer, e ser substituída pelo alto e bom som digital. Bem, isso não vai ocorrer.Mesmo assim, em pleno início do século 21, as rádios AM sobrevivem, mas sua audiência caiu ano após ano. A rádio AM mais ouvida de São Paulo (e, portanto, do país), a Globo, tem cerca de 135 mil ouvintes por minuto – o que representa metade da audiência da FM mais sintonizada de SP, a Nativa (271 mil ouvintes por minuto).No entanto, a soma das 10 rádios AM mais sintonizados não chega a 400 mil ouvintes por minuto. Além disso, dados obtidos pela coluna apontam que, no interior do país, quase 50% das rádios AM estão nas mãos de igrejas – a maioria, evangélicas. Por quase oito décadas, as AM (amplitude modulation) foram a principal transmissão via rádio, ainda que sujeitas a todo tipo de interferências.
Tabela: Uol - Dados de maio de 2015