terça-feira, 11 de agosto de 2015

Ondas Curtas - edição 66

*  Depois da bem sucedida  "Cadeia Verde e Amarala" na Copa América, a direção das rádios do Grupo Bandeirantes  fez o que estava em planejamento desde o começo do ano. Promoveu mudanças no quadro de funcionários  e levou a integração da tv para as rádios de forma definitiva.  A ordem  agora é a de utilizar os funcionários nas mesmas funções em todas as rádios, com raríssimas exceções como a do narrador  José Silvério por exemplo, comentaristas, produtores  e repórteres  não serão exclusivos de determinada emissora, Bernardo Ramos que é  locado na Bradesco Esportes passa a dividir as funções de coordenador de um novo núcleo com Ricardo Capriotti. E infelizmente  a ordem é de não contratar ninguém, e sim promover o rodízio dos funcionários do Grupo.

* Esse é o momento das empresas de comunicação apostarem em estagiários, trainees e recém formados. Cabe ao  Sindicato de cada categoria fiscalizar se não há abuso no preenchimento de vagas.


*  Todos os funcionários da ESPN estão liberados para participarem de programas esportivos de rádio de outras emissoras, isso já aconteceu com vários integrantes que inclusive já receberam convites, mas por causa da prioridade e  dos canais  ESPN e do tempo foram obrigados a recusarem o retorno ao dial. Diga-se que  foi louvável  a atitude da  direção da emissora não demitir os jornalistas com o fim do projeto de rádio. Que continue assim.

* Ainda não dá pra divulgar, mas um  atleta campeão do mundo que inclusive já encerrou a careira de jogador, deve confirmar a sua volta aos gramados no mês que vem. Problemas judiciais fizeram o jogador repensar a sua aposentadoria.


* O jornalista Alexandre Praetzel que recentemente deixou a Rádio Bandeirantes, mas ainda trabalha no Grupo seria um ótimo reforço em qualquer emissora de São Paulo. O exemplo mais  recente foi  do jornalista Mauro Beting,  profissional digno e  competente que caiu como uma luva na Jovem Pan.

Há meses a Rádio Estadão aboliu  a reportagem em transmissões de jogos, a equipe segue com âncora, narrador e comentaristas em duas  transmissões esportivas semanais. Vai entender, a transmissão que antes não tinha narrador, agora não tem repórter. 

*  Acontece em um mês o curso de jornalismo esportivo do Dominou, que é um braço do Portal Comunique-se.  Com 50 horas aula, o curso   é voltado para estudantes de diversas áreas, alunos de rádio e tv e jornalismo, além de radialistas também.  Saiba mais do curso de narração e reportagem  através do site http://www.cursodejornalismoesportivo.com.br/   

* Depois do twitter, Facebook, Instagram e whatsapp, agora a moda no rádio e também na tv e o Perescope ( ferramenta que transmite em vídeo em tempo real). Para a tv até que é uma boa sacada para segurar a audiência no intervalo e também em outras ações para prender o telespectador. Em minha opinião o Perescope vai ser mais um tiro no combalido rádio. E  mais um "viva" para os gênios  que caem de paraquedas em funções que não estão preparados para exerce-las.


Começo da série: " Esqueça o que você aprendeu sobre jornalismo"

Capítulo  1

Professor Pardal

Começo dos anos 2000, sala de reunião de uma importante emissora de rádio em São Paulo.  Na sala de reunião grandes comunicadores de uma equipe líder de audiência.  Era a apresentação do novo chefe de esportes que  tinha muita experiência na mídia impressa. A ordem era expressa:
"Ninguém poderia faltar", repórteres deixaram de ir aos treinos da tarde para a apresentação do novo "chefe mor". Depois da apresentação e um currículo realmente muito bom veio a sinceridade ao extremo.
" Olha gente, rádio eu só sei que tem colocar pilha ou na tomada para funcionar ". declarou o chefe. Todos na mesa de reunião ficaram assutados com tal declaração e com o passar dos anos ele teve carta branca, desmontou a equipe e a rádio com suas "mirabolantes" decisões de revolucionar o rádio esportivo, e o pior... fez sucessores.