segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

'Elétrico', André Henning dá o tom na TV de campanha histórica da seleção de handebol

André Henning, narrador do canal Esporte Interativo
Toda grande conquista recente do esporte brasileiro foi transmitida por uma voz do rádio ou da televisão que se fixou no imaginário coletivo. Brasileiros, Mundiais, Copas do Mundo, Olimpíadas - a memória do torcedor guarda a voz dos locutores como a trilha sonora dessas vitórias. Na sexta-feira, a seleção feminina de handebol fez história ao bater a Dinamarca por 27 a 21 em Belgrado, na Sérvia, e garantir a inédita disputa de uma final do Mundial da categoria. Hoje, as brasileiras jogarão contra a seleção anfitriã e, caso vençam, serão apenas a segunda seleção não-europeia da história dos Mundiais a conseguir o título - a Coreia do Sul foi campeã em 1995. Divulgação André Henning, narrador do canal Esporte Interativo André Henning, narrador do canal Esporte Interativo E o locutor do último dos jogos decisivos do campeonato será mais uma vez o vibrante André Henning, 38. Seguidor da linhagem de Osmar Santos e Galvão Bueno, duas referências da narração emocionada, Henning transita continuamente entre o cômico e o (melo)dramático, beirando algumas vezes a histeria. Sua empolgação no Mundial tem dado contornos épicos às disputas. "Foi Deus quem colocou essa bola lá dentro", "Defesa milagrosa da filha da mãe da goleira da Dinamarca", "Ai, o narrador vai ter um troço, acho que meu dia chegou" foram expressões de que Henning lançou mão para dar o tom da tensão dos jogos. Segundo ele, nada disso é ensaiado previamente: "emoção não é algo que se treina". Filho do jornalista Hermano Henning, ele conta que começou a narrar aos seis anos de idade, acompanhando o pai nas gravações. "Eu ia até a ilha de edição e pedia para o funcionário ligar o equipamento para eu ficar brincando de narrador ali", diz. Em entrevista à Folha logo após a transmissão do jogo do Brasil contra a Dinamarca, ele explicou como faz para equilibrar conhecimento técnico de um esporte pouco acompanhado no Brasil e a emoção de narrar um feito histórico da seleção brasileira.


Fonte: Folha de Sã Paulo
 Foto: Divulgação

Morre locutor José Luiz Menegatti

Menegatti, morre aos 59 anos
Faleceu o locutor e apresentador da rádio Jovem Pan, José Luis Mengatti. Ele foi vítima de um câncer no intestino, doença contra a qual ele lutava havia muitos anos. O enterro acontece às 17 Horas no Cemitério Gethsemani, em São Paulo. Ele tinha 59 anos. Por muitos anos, ele foi apresentador dos telejornais da TV Record, ainda na fase da família Machado de Carvalho. Poudo depois, ele se transferiu para a Jovem Pan.
Nascido em Osvaldo Cruz, interior do estado de São Paulo, Menegatti começou a carreira de locutor  na Rádio Dirceu de Marília, em 1969, também trabalhou na região nas emissoras: Rádio Verinha e Rádio Clube. Em 1977 foi contratado pela Rádio Record de São Paulo, onde trabalhou como locutor noticiarista e apresentador de diversos programas transmitidos em AM e FM. Foi apresentador do Jornal Análise - programa de grande destaque principalmente nos anos de 1978 e 1979 na então FM Record - juntamente com outros conhecidos nomes do
Menegatti  na passam de programa, ao lado
 estão Fred Jr. e Wanderlei Nogueira
rádio brasileiro. A partir de 1977 foi também contratado pela Tv Record, ficando assim conhecido do grande público ao se tornar locutor-apresentador do extinto Record em Notícias (1973-1996), popularmente chamado de "Jornal da Tosse". Em 1978, na mesma emissora em que se encontrava passou a integrar também a Equipe de esportes. Apresentou diversos programas, entre eles: Filmando a Rodada e O Artilheiro. Participava das transmissões esportivas da emissora fazendo as aberturas de jornada e apresentando os melhores momentos nos intervalos. Foi também apresentador de outros programas jornalísticos da Tv Record, onde trabalhou até 1999. No ano seguinte ingressou na Rádio Jovem Pan AM, onde permanece foi locutor em diversos segmentos da programação e como apresentador do Programa Rádio Ao Vivo, fez também um dos últimos programas do "Show da manhã" e "Hora da Verdade".
O rádio perde um grande profissional, dono de  uma voz marcante.
Fonte: Marcelo de Senna e RadioAmantes
Fotos: Acervo JP

O Negócio é Esporte ganha edições especiais de fim de ano

O Negócio é Esporte, primeiro talk-show do sobre o marketing esportivo do país, encerra o ano com programas especiais na Rádio Bradesco Esportes FM. As edições de 23 e 30 de dezembro trazem os melhores momentos das entrevistas mais comentadas do ano. A edição de Natal, no dia 23, reapresenta o bate-papo com James Cannon, diretor global de marketing da NBA, que aborda as estratégias do mercado de basquete em ascensão no Brasil, Jorge André Avancini, executivo do Internacional, para discutir os programas de sócio-torcedor e Fernando Ferreira, da Pluri Consultoria, que explica como as pesquisas auxiliam no desenvolvimento de novos produtos e ações no mercado esportivo. No especial do dia 30 é a vez de falar sobre MMA com Victor Hugo Leite, diretor da Midia V7, e sobre as corridas de rua que se popularizam pelo país com Caio Amato, gerente da Adidas. Encerrando o programa, Pedro Daniel, da BDO Brazil, discute a saúde financeira dos clube de futebol. O programa continua na grade da rádio Bradesco Esportes em 2014, toda segunda, às 22h, e volta a apresentar entrevistas inéditas a partir de seis de janeiro. Além disso, pílulas diárias serão exibidas durante a semana na programação da rádio e os programas ficam disponíveis no site www.onegocioeesporte.com.br.