Parceiros barram projetos do Corinthians

Três das iniciativas mais ousadas do departamento de marketing do Corinthians para a próxima temporada estão paradas.
O clube pretende lançar uma rádio, um canal de TV por assinatura e uma equipe de Stock Car em 2010, ano em que vai comemorar seu centenário de fundação, mas depende de parceiros para viabilizar financeiramente as propostas.
A situação reflete o modelo de negócio adotado pelo marketing alvinegro para todas as ações do próximo ano. Em casos de projetos idealizados pelo clube, a diretoria procura parceiros para viabilizar a operação financeira e divide os lucros (60% para a equipe e o restante para o investidor).
Se a ideia partir de outra fonte, uma condição básica para o Corinthians aceitar é a pessoa assumir responsabilidade pela captação. Os projetos de rádio, TV e Stock têm sido conduzidos diretamente pelo Corinthians. Nessa lista, o que se encontra em situação mais complicada, até pelo volume mais alto a ser investido, é o canal por assinatura com conteúdo do clube.
No caso da rádio, a diretoria já definiu que fará um estágio preliminar e vai incorporar ao site oficial do Corinthians em 2010 uma equipe amadora que já realiza transmissões de jogos do clube e utiliza um modelo totalmente parcial de transmissão de conteúdo.
Se a iniciativa tiver resultados expressivos de audiência ou anunciantes, servirá como base para a criação de uma emissora de rádio ligada ao time paulista.
Outro projeto com situação clara é o da investida no automobilismo. O Corinthians negocia com a Panasonic Racing, equipe dos pilotos Ricardo Zonta e Rodrigo Sperafico, para que os carros tenham cores e logotipo do clube em 2010. As bases do acordo já foram acertadas, mas falta alguém para bancar os custos - o montante a ser investido não foi divulgado. "Sabe qual é a verba do meu departamento? Zero. Se eu falar que eu tenho um belo projeto e pedir um investimento de um dinheiro, as pessoas no clube me matam.
Eu tenho de gerar receita sem criar custos", disse o diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosemberg.
Um exemplo claro do modelo de negócios do Corinthians para o centenário é a criação de um festival de música sobre o clube, que já está em andamento.
A ideia foi apresentada à equipe por um grupo de empresários, e eles tiveram aval para realizá-la em 2010. Desde que encontrem quem pague a conta.
Fonte: Máquina do Esporte

Postagens mais visitadas